top of page
  • Foto do escritorMichelle Rezende

Obsessão pelo corpo magro e seus impactos na sociedade coreana


Em meio a um cenário onde a busca pela perfeição estética é cada vez mais prevalente, os jovens sul-coreanos têm enfrentado um crescente desafio em relação à obsessão pelo corpo magro. Essa obsessão tem gerado graves impactos tanto na saúde física quanto mental dos indivíduos, levando muitos a adotarem dietas malucas e extremas, o que resulta em sérias consequências para sua qualidade de vida.


A cultura da magreza na Coreia do Sul é profundamente enraizada, com padrões de beleza estreitamente associados a corpos magros e esbeltos. Esses padrões são amplamente perpetuados pela mídia, pela indústria da moda e pelas redes sociais, colocando uma pressão significativa sobre os jovens para que atinjam tais padrões. Como resultado, muitos se submetem a regimes de dieta extremamente restritivos e até mesmo perigosos para alcançar a tão desejada magreza.


A obsessão pelo corpo magro tem causado uma série de problemas de saúde física e mental entre os jovens coreanos. Dietas extremamente restritivas podem levar à desnutrição, deficiências nutricionais e fraqueza muscular, comprometendo o funcionamento adequado do organismo. Além disso, o risco de desenvolver distúrbios alimentares, como bulimia e anorexia, aumenta significativamente entre aqueles que buscam incessantemente a perda de peso.


Especialistas em saúde alertam para os perigos associados à adoção de dietas malucas e extremas. A bulimia, caracterizada por episódios de compulsão alimentar seguidos de comportamentos de purgação, como vômitos autoinduzidos, e a anorexia, onde há restrição extrema de alimentos levando à perda excessiva de peso, são distúrbios que podem causar danos irreversíveis à saúde física e mental.


É crucial que a sociedade sul-coreana promova a conscientização sobre os riscos associados à obsessão pelo corpo magro e a importância de uma abordagem saudável em relação à imagem corporal. Iniciativas educativas nas escolas, programas de conscientização nos meios de comunicação e apoio psicológico acessível são passos cruciais para ajudar os jovens a desenvolver uma autoimagem positiva e um relacionamento saudável com a alimentação.


A superação da obsessão pelo corpo magro e seus impactos negativos exige uma mudança profunda na cultura e nas atitudes em relação à imagem corporal. É fundamental que os jovens sejam incentivados a valorizar a diversidade de corpos e reconhecer que a beleza vai além de padrões estreitos. Profissionais de saúde mental, nutricionistas e educadores desempenham papéis cruciais ao fornecer informações corretas e promover a importância de uma abordagem equilibrada em relação à alimentação e ao autocuidado.


O processo de aceitar-se e de cultivar uma autoimagem positiva requer um investimento significativo na saúde mental e emocional. Conversas abertas sobre as expectativas da sociedade, as pressões sociais e as próprias inseguranças são essenciais para desenvolver resiliência psicológica. Ter acesso a apoio psicológico profissional, como terapia e aconselhamento, pode ajudar os jovens a explorar suas emoções, desenvolver habilidades de enfrentamento saudáveis e construir uma mentalidade positiva. A autoaceitação não é apenas uma mudança superficial, mas um processo profundo que envolve abraçar todas as dimensões da própria identidade, incluindo o físico, o mental e o emocional.



Valorizar a própria individualidade e aceitar o corpo como ele é são passos fundamentais para o desenvolvimento de uma autoestima saudável. A obsessão pelo corpo magro frequentemente leva os jovens a compararem-se com padrões irrealistas, resultando em sentimentos de inadequação e ansiedade. Cultivar a aceitação do próprio corpo não apenas reduz os riscos de desenvolver distúrbios alimentares, mas também contribui para uma saúde mental robusta. Ao reconhecer que a beleza não é definida por um único padrão, os jovens podem focar em construir uma identidade baseada em suas qualidades únicas e conquistas pessoais.



A obsessão pelo corpo magro entre os jovens coreanos é um fenômeno complexo e preocupante que tem sérios impactos na saúde física e mental. A sociedade sul-coreana, juntamente com os profissionais de saúde, educadores e a mídia, deve trabalhar em conjunto para criar uma cultura que promova a aceitação da diversidade de corpos e uma abordagem equilibrada em relação à imagem corporal. Somente assim os jovens poderão alcançar uma saúde plena e uma autoimagem positiva, livres dos riscos associados à busca incessante pela magreza.


FONTE: 1 /2


Conteúdo exclusivo.

Não retirar sem dos devidos créditos!

520 visualizações4 comentários

4 Comments


Aerton Gabriel
Aerton Gabriel
Aug 15, 2023

Matéria excelente demais!! Essa obsessão pelo "corpo perfeito" é algo que deve-se falar seriamente sobre!! 👏🏻👏🏻👏🏻💕💕💕

Like
Michelle Rezende
Michelle Rezende
Aug 18, 2023
Replying to

Com toda a certeza, uma coisa é ouvir Kpop, outra coisa é querer ter o corpo de um idol de kpop.

Like

Cristina Maria Cardoso Rezende
Cristina Maria Cardoso Rezende
Aug 14, 2023

Mais uma matéria com excelente qualidade com um conteúdo que nos permite conhecer a fixação da Coréia por corpos magros sem as indústrias de Kpop se incomodarem com a saúde e o bem estar dos seus Idols mais uma vez Parabéns a editora pela brilhante matéria

Like
Michelle Rezende
Michelle Rezende
Aug 14, 2023
Replying to

Obrigada demais

Like
bottom of page