top of page
  • Foto do escritorRami

Dorameiras na busca do final feliz


Que os kdramas se tornaram uma febre mundial, isso ninguém pode desmentir. A cada semana no top 10 da maior rede de streaming do mundo, no mínimo uma posição é preenchida pelas famosas novelas coreanas. Para quem acompanha a dramaland antes mesmo de todo esse sucesso, o olhar sobre as obras com certeza é diferente já que temos na bagagem um grande repertório de dramas maratonados.


Pessoas que não se aprofundam na bolha geralmente ligam os Kdramas exclusivamente à histórias de amor melodramáticas, com um toque de comédia e lindos finais felizes com os protagonistas juntos celebrando um casamento em um belo dia ensolarado. Essa fórmula com certeza é a mais rentável e grande responsável pelo crescimento do sucesso teledramaturgo coreano pelo mundo, mas sabemos que os dramas coreanos fornecem uma gama variada de temáticas assim como qualquer história que possa ser contada. A questão da matéria talvez seja essa, as pessoas assim eu já fiz e continuo fazendo, buscam nos dramas que contam uma história de amor, seus finais felizes. Tudo bem isso é compreensível, talvez isso sempre tivesse acontecido mas agora como a escala é maior passei a notar esse curioso evento, o fato de pessoas pararem de ver ou evitarem um drama que o final não seja feliz. Pensando bem o que é um final feliz pra mim, é um final feliz pra você? É um final feliz para o personagem? Vamos nos aprofundar um pouco nesse assunto.



A ciência tenta explicar nosso vício pelo final feliz. Em um estudo publicado no The Journal of Neuroscience, os resultados mostram que a maioria das pessoas preferem experiências com finais felizes a experiências que se tornam um pouco menos agradáveis no final. Existem diversas teorias sobre o assunto, tente lembrar de algo na sua vida que você considera um final feliz, embora as pessoas possam desfrutar de férias ensolaradas na praia, se não se lembrarem delas com carinho, não optarão por essas experiências novamente quando estiverem disponíveis no futuro, esse seria o fenômeno conhecido como “efeito de final feliz”.


Outra teoria que tenta explicar esse evento fala que talvez estivéssemos esquecendo as partes boas da experiência porque elas aconteceram antes. Nada pode ser concretizado devido ao grande número de variáveis a serem analizadas e a complexidade do ser humano, mas trazendo isso pra uma história de kdrama, seria como aquele lindo drama que pode ter nos envolvido e divertido durante a evolução da trama , mas naquele último episódio o casal não fica junto, o ship foi errado, então nosso cérebro marca aquilo como uma experiência ruim e busca evitar de que aconteça novamente, mas parando pra analisar ela não foi de todo mal. Focar em finais felizes pode nos fazer negligenciar o que aconteceu ao longo do caminho. É difícil assumir que o tão esperado final feliz pode ser breve e ocorrer após um longo período de mediocridade.


As novelas coreanas retratam a espistome do final feliz. O sucesso dos dramas de amor pode ser explicado devido a algumas de suas características que demostram a perfeição, ou seja, algo utópico e impossível de se alcançar. Mesmo sendo a pessoa mais positiva no mundo, temos que admitir, a probabilidade de uma história de amor igual a de um drama acontecer na vida real é talvez a mesma ou menor do que ganhar na loteria. Os homens perfeitos, com o comportamento perfeito, a conta bancária perfeita... É claro que nos apaixonamos por essa narrativa, a minha opinião e a da grande maioria das pessoas que buscam ver um drama e desejam um final feliz é justamente o fato de fugir da nossa realidade, afinal, a vida já está tão ruim então deixem-nos ser felizes vendo essas histórias de amor inalcançáveis, para que escolheriamos um final triste se a realidade já nos oferece isso todo dia?



Essa dinâmica acaba por se refletir em nossas vidas. Retrato disso é o fato da popularização da narrativa dos impecáveis homens coreanos, que seriam iguais aqueles das histórias mas na verdade acabam por ser como qualquer outro homem do mundo. Golpes de perfis que se passam de atores ou homens bonitos coreanos parecem impossíveis de se imaginar mas vem acontecendo com mais frequência do que se imagina. Não existe problema nenhum se valorizar e desejar alguém que te respeita e te trate como uma protagonista de kdrama, mas não vamos esquecer da indispensável dose de realidade.


Afinal, o perfeccionismo é, em última análise, uma forma dolorosa e autodestrutiva de viver. Cometer e admitir erros são partes fundamentais do desenvolvimento, da aprendizagem, de ser humano. Também te prepara melhor para a carreira, os relacionamentos e a vida em geral. Ao evitar errar ou sofrer dificultamos o alcance de nossas próprias metas. Essa análise veio com o objetivo de trazer um novo olhar sobre os finais tristes, as vezes aquele último episódio foi triste mas se privar de admirar uma obra que pode ser boa devido a isso é só mais uma aplicação no perfeccionismo que trazemos para nossa vida, a nossa privação de aproveitar cada momento da vida sem saber se ela terá um final feliz, mas afinal, o que é um final feliz mesmo?


Nota de inspiração: Doona!

Por fim venho indicar o novo drama da Netflix que foi a inspiração de todo esse questionamento. "Doona!" gira em torno do jovem Lee Won-joon (Yang Se-jong), um estudante bondoso e comum que tenta lidar com os altos e baixos da vida universitária. No entanto, sua vida se transforma completamente quando ele se muda para uma casa compartilhada onde mora uma bonita e misteriosa ex-estrela do K-pop, Lee Doo-na (Suzy).




Alerta de SPOILER

Antes de assistir o final de Doona! pela minha experiência e o fato de saber que o drama tem o mesmo diretor de "Pousando no amor" eu imaginei que o final não seria daqueles clichês máximos, sendo um final fechado e algo que deixasse óbvio que os protagonistas estariam "felizes para sempre". Procurando sobre o final me deparei com opiniões diferentes e isso me fez prestigiar a genialidade do diretor de deixar que nós telespectadores escolhessemos o final que julgamos e interpretamos. Antes de assistir a última cena eu já havia me deparado com uma análise mostrando que o casal principal não ficava junto, assim como vários outros comentários de pessoas que tiveram a mesma opinião. Entretanto, qundo terminei o drama fiquei com a percepção que casal continuou sim junto, mas não de forma "escancarada", não um típico final feliz, o que gerou essa ambiguidade de opinião. Me deparei procurando por uma "prova" do que para mim seria o final feliz e só descansei quando encontrei opiniões de pessoas e teorias que corroborassem com a narrativa que eu criei na minha cabeça e na minha opinião sobre os eventos da trama. Por fim cheguei a conclusão que o final feliz está no olho de quem vê e na pele de quem sente.


+Bônus: Final Feliz?

Pesquisando para essa matéria encontrei o blog Kdrama Happy Ending Adicct, de nome bem sugestivo e que me pareceu muito útil pra quando nós simplesmente precisamos de um final feliz pra voltar a ter esperança no mundo. Os dramas com finais feliz recebem um coração rosa e os que terminam tristes são sinalizados com um coração partido preto, no caso de um final ambíguo os dois corações são usados para sinalizar e junto deles vem descrita a justificativa. Use com sabedoria!


Fontes: 1| 2








150 visualizações1 comentário

1 Comment


sheilamunix
Oct 25, 2023

Gostei bastante da matéria.. me gerou um questionamento interno sobre outros doramas com a mesma temática , acho que muitos outros fatores me fizeram desistir do drama mencionado porém confesso que uma grande porcentagem se dá a falta de um final feliz .

Like
bottom of page