top of page
  • Foto do escritorRami

As problemáticas da moda no K-Pop


No início dos anos 1990 na Coréia do Sul, o K-Pop foi o resultado da liberdade das eras de restrição e censura ao entretenimento, nesse caso o modo de agir e se vestir também estava incluido. Seo Taiji and Boys, os pioneiros do K-Pop moderno, espelhavam um traje cotidiano simples daquela época, promovendo chapéus, flanela, macacão e memorabilia esportiva, como moda. O gênero também teve influências sutis na cultura hip-hop da América, ecoando assim sua popularidade global.



Quando o termo 'ídolo' surgiu, a moda coreana também saltou para o cume no gráfico de influenciadores. Devido à sua música envolvente e estilos atraentes, as estrelas do K-Pop se tornaram o novo sucesso da Coreia do Sul pro mundo. Eles não apenas aproveitaram o momento sonoro desse gênero, mas também transformaram os artistas do K-Pop em celebridades, que não apenas entregaram a música, mas também exibiram suas vibrações por meio de roupas visualmente e atraentes. E assim, o K-Pop se tornou sinônimo de moda.


Por mais lindos que sejam os trajes de palco, eles geralmente são escolhidos por estilistas e gravadoras, e os artistas normalmente não têm opinião sobre o que vestir, é assim que muitas vezes se envolvem em controvérsias relacionadas com o vestuário.


Além de seu hit de sucesso, o MOMOLAND também se tornou viral em 2018 devido a seus figurinos curtos e apertados.


Embora os esforços que as empresas colocam na moda e em fazer seus artistas parecerem it boys/girls, já que os ídolos do K-Pop são conhecidos como criadores de tendências na indústria da moda, há muitas coisas acontecendo nos bastidores que não têm um impacto tão positivo. Os estilistas do K-Pop, indivíduos responsáveis por encontrar itens de vestuário para os artistas e coordenar inúmeras roupas, surpreendentemente não são bem pagos e tratados. Uma pesquisa conduzida pela Associação de Mulheres Trabalhadoras da Coreia descobriu que mais de 80% dos estilistas recebem menos de $ 1.000 por mês, muitos deles trabalhando mais de 8 horas por dia durante 7 dias por semana. Este trabalho é fisicamente exigente, os estilistas muitas vezes têm que entregar 5-6 roupas por membro todos os dias, bem como mentalmente exigentes, tendo que coordenar tantas roupas ou marcas cancelando no último minuto. Os estilistas são horrivelmente mal pagos e maltratados, embora desempenhem um papel tão importante no crescimento da indústria do K-Pop, que é injusto e infringe seus direitos humanos básicos.


Entretanto existem controvérsias, mas com estilistas da industria, muitas vezes fãs perceberam que nem todos os membros do grupo estão bem vestidos. Casos de um membro tendo que usar um ajuste estranho ou feio em comparação com o resto do grupo não são incomuns. Os estilistas são, obviamente, responsáveis ​​por este problema. Portanto, eles costumam ser criticados pelos fãs sempre que vestem ídolos com roupas que não estão na moda, muito chamativas, desleixadas ou muito reveladoras e inapropriadas. Um membro pode ser constantemente a “vítima” do estilista e receber as roupas mais feias não uma, mas várias vezes, fazendo com que os fãs expressem sua frustração e raiva. Alguns até exigem que a empresa demita os estilistas.



É fora do palco que os fãs genuinamente têm uma visão aprofundada dos gostos de moda desses ídolos. Quer os ídolos do K-Pop estejam jantando em um restaurante, fazendo compras ou dando um passeio relaxante, eles estão sempre vestindo roupas elegantes. Os ídolos até transformaram o aeroporto em uma passarela da moda, exibindo suas últimas roupas casuais. Os fãs reverenciam a enorme quantidade de criatividade e que colocam em sua moda de aeroporto e, muitas vezes, chamam a atenção dos meios de comunicação. Ver ídolos em trajes descontraídos e casuais revela um lado mais realista deles e mostra que eles ainda são pessoas que desejam se expressar por meio de roupas, assim como todos nós.



Seguindo a influência e o alcance do K-Pop na grande mídia, empresas globais de luxo e casas de beleza perceberam que a associação com o K-Pop poderia levar a um sucesso viável no mercado. Temos visto cada vez mais ídolos e grupos de K-Pop nomeados como embaixadores de marcas para nomes da moda familiar


Embora esse problema seja global e possa ser atribuído a uma infinidade de razões diferentes, abrangendo muitas facetas e subculturas na sociedade de hoje, o K-pop é definitivamente um contribuinte contra essa nova "cultura" do fast fashion. Existem roupas de palco que ficaram para sempre enraizadas nas nossas memórias como looks icônicos. A maioria das roupas dos idols tende a ser comprada ou presenteadas como itens de grife quando seu grupo já alcançou um certo sucesso ou emprestada de armazéns compartilhados ou estilistas específicos, se destinada a uma determinada ocasião principalmente pela sua empresa. No geral, os hábitos dos ídolos não parecem contribuir diretamente para esse problema da fast fashion. No entanto, o problema surge quando as pessoas querem imitar o estilo, mas não têm recursos para comprar moda cara e original.



O desejo de recriar estilos de destaque e a moda das celebridades coreanas contribuem para a produção de fast fashion devido ao crescente nível de demanda. Para ilustrar o efeito da cultura popular coreana em ditar as tendências da moda da última década, podemos pensar no boom da popularidade de calças cargo e streetwear de estilo oversized. Embora o K-pop não seja o único responsável por essas tendências, é inegável a influência exercida pela comunidade em propagá-las. O surgimento do comércio eletrônico forneceu uma experiência de compra alternativa, com seu principal atrativo sendo os preços ainda mais baixos. Embora seja uma aposta na qualidade e no prazo de entrega, esse tipo de terapia de varejo tornou-se a norma habitual. É aqui que sites como Shein e Yesstyle entram em cena como exemplos principais. Muitas marcas de moda rápida estocam moda coreana produzida na China. Além das preocupações óbvias relacionadas à produção em massa e aos riscos à saúde dos trabalhadores, há também a conexão com o tráfico de trabalho forçado. Em 2018, o Global Slavery Index calculou que o vestuário é um dos 5 principais bens importados com maior probabilidade de ser produzido por trabalhadores escravos. O trabalho infantil ilegal também é inevitável para sustentar a alta produção, cujas condições são claramente antiéticas, violando as leis trabalhistas em vigor.


A falta de renda confiável também perpetua a pobreza nessas áreas, e o ciclo continua. Existe um site que é popular entre fã vendendo itens falsos e similares a roupas usadas por ídolos do K-pop. O site parece operar como um interagente entre armazéns e compradores online. Embora isso seja ótimo para encontrar facilmente peças que você viu e amou em K-dramas ou assistir ao vivo do seu bias, os mesmos problemas de ética e consequência climática são exasperados pela existência e normalização deste e-shop. Além disso, surgem questões relativas à legalidade da fabricação em massa de materiais protegidos por direitos autorais quando o site basicamente copia designs idênticos de casas de moda de luxo. 


Fontes:1|2|3|4

526 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page