top of page
  • Foto do escritorRami

A Coreia dos Cultos

Atualizado: 4 de set. de 2023


Quando se fala de assuntos que envolvam outros países e suas culturas, é essencial uma busca pela opinião de quem vive lá antes que possamos julgá-la. Olhando por fora, uma história que envolve a entrada de alguém em um culto parece ser muito improvável e impossível, mas é exatamente esse tipo de pessoa que pode ser recrutada em um momento geralmente frágil da vida. Os coreanos sempre me pareceram muito elaborados com suas palavras e modo de convencer o outro a comprar o seu produto, a prova disso vai desde um jogo de máfia onde você tem que vender sua história até a onda Hallyu de entretenimento coreano que o mundo está passando agora. Essa foi uma associação que fiz enquanto me perguntei, por que existem tantos golpes envolvendo cultos na Coreia do Sul?


Quando se procura determinar se um grupo religioso é um culto, faz parte de uma seita ou é uma igreja ilegítima, é preciso considerar estes três critérios de acordo com Timothy Lee, especialista em Evangelicalismo na Coreia na Brite Divinity School: "a liberdade com que se pode afiliar-se e desfiliar-se do grupo, a transparência na sua liderança estrutura e a atitude do grupo em relação à sociedade em geral, com um culto assumindo uma atitude muito mais exclusivista e condenatória em relação à sociedade.”


Certamente as igrejas marginais coreanas que atraíram o rótulo foram implicadas em fraude, lavagem cerebral, coerção e outros comportamentos associados a seitas em todo o mundo. Os casos mais macabros têm sido associados a crimes tão graves como a violação sistemática e até o homicídio, criando roteiros de filmes de terror, mas que aparecem na categoria de documentários na Netflix.


A Coreia é uma nação multi religiosa, isso significa que em uma sociedade só, os coreanos possuem um diverso leque de ideais religiosos. Essa liberdade de escolha pode ser perigosa quando pessoas de má índole usam um sistema em seu benefício, diz Sung Hae-young, professor de Estudos Religiosos na Universidade Nacional de Seul. O mesmo, concorda que os grupos e seus seguidores têm o direito de acreditar, pregar, dizendo: “As igrejas estabelecidas com as chamadas teologias tradicionais usam os termos 'culto'. ' e 'pseudo-religião' para denunciar seitas e organizações que defendem doutrinas diferentes delas”.


Segundo estimativas, existem pelo menos 300 cultos ativos na Coreia do Sul. De acordo com o Conselho Nacional Coreano de Igrejas, havia cerca de 100 cultos pseudo-religiosos com cerca de 300 mil seguidores na Coreia do Sul no início dos anos 2000. Algumas destas seitas foram acusadas de usar a violência para manter a obediência entre os seus membros e de roubar grandes somas de dinheiro aos seus seguidores. Existem muitos cultos na Coreia do Sul, mas existe uma igreja que criou um dos cultos mais prolíficos e que tem bases consolidadas na sociedade até mesmo após a morte de seu líder, a Igreja da Unificação .


Igreja da Unificação

Assistindo a série documentada da Netflix chamada "Como se tornar o líder de uma seita?"no último episódio me deparo com meu primeiro contato com a história da controvérsia religião criada pelo coreano pelo Rev. Sun Myung Moon na Coreia do Sul. Quando era um menino de 15 anos, Moon afirmou ter tido uma visão na qual Jesus Cristo o instruiu a terminar sua missão na Terra e criar um estado de pureza “sem pecado” para a humanidade. Ao longo dos anos, o grupo da Igreja da Unificação atraiu reconhecimento e influência global e se tornou conhecida principalmente por realizar cerimônias de casamento em massa em estádios esportivos gigantes. A prática, conhecida como Cerimônia de Bênção do Casamento Sagrado, é administrada a casais casados ​​​​e noivos informados de que o ato remove o casal da história de pecado da humanidade e confere a qualquer filho nascido da união uma ficha moral limpa. A prática geralmente envolve casais que se encontram pela primeira vez.


Boa parte do que a igreja ensina não é revelado. Na verdade, os seguidores de Moon são encorajados a praticar o “Engano Celestial” na sua tradução literal, enganando as pessoas obter doações. No entanto, suas táticas e técnicas são bem conhecidas. Ex-membros da Igreja da Unificação – “Moonies” – dizem que a igreja usa técnicas de privação para fazer lavagem cerebral em seus jovens adeptos, que muitas vezes são abordados na rua. Uma vez que os jovens se sentem “amados” na igreja, eles são levados para casas onde os membros da igreja vivem juntos em comunidade. Após a suposta lavagem cerebral, eles são enviados às ruas para solicitar dinheiro para a Igreja da Unificação. Diz-se que os adeptos recebem escassas quantidades de comida, vivem em ambientes espartanos e são privados de contacto com o mundo exterior. Ativistas há muito acusam a organização de solicitar fundos de seus próprios membros. Desertores da igreja escreveram livros críticos acusando a organização de ser uma seita, enquanto Moon sustentava que os membros aderiram e permaneceram por sua própria vontade.


Se um dia você deseja visitar a Coreia, é sempre bom ficar por dentro de possíveis perigos que possam ocorrer e um dos conselhos que os próprios, sul coreanos , dão para seus estrangeiros é basicamente não fale com estranhos. O primeiro que temos que considerar é que a Coreia do Sul não tem hábitos calorosos de recepção e boas vindas como os brasileiros, então parece difícil um total estranho puxar um assunto ou oferecer uma simples ajuda que pode evoluir a muito além disso. Um usuário de sites para dicas de viagem conta em um depoimento em como quase entrou em culto enquanto cursava a faculdade de Hongik e deixa dicas pra quem não deseja passar por uma situação como essa em um país desconhecido "Seja diligente e esteja sempre atento ao que está ao seu redor. É menos provável que eles (membros do culto) se aproximem de você se você estiver em grupo ou caminhando com um amigo. Normalmente, isso é suficiente para mantê-los afastados. Se você estiver sozinho, certifique-se de que haja alguém que saiba onde você está, seja um amigo ou familiar através de algum tipo de software de rastreamento. Eu também me armaria com o conhecimento de onde estão as câmeras CCTV e como permanecer à vista. A última coisa que você precisa que aconteça é que haja um ponto cego."


Sugestão: Em Nome da Fé - Uma Traição Sagrada


Este show é uma adaptação da história de quatro cultos heréticos diferentes que causaram polêmica na Coreia do Sul. Os quatro cultos são chamados de Providência (Missão Evangélica Cristã), Cinco Oceanos (Odaeyang), Baby Garden e Igreja Central Manmin. Diferentes informantes que uma vez aderiram ao culto foram entrevistados para criar esta série de documentários da Netflix. O documentário, foi recebido fervorosamente pelo leste asiático, inclusive foi por ele que um membro da boy band sul-coreana DKZ , Kyoungyoon, afirmou que não sabia que seus pais eram membros de uma dessas controversas igrejas. A gravadora do grupo Dongyo Entertainment, postou uma declaração no site de fãs online da banda em 8 de março, que dizia: "Kyoungyoon pensou que seus pais estavam frequentando uma igreja normal. Ele ficou chocado depois de perceber a verdade e assistir a série"


Fontes: 1|2|3|4|5|6



373 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page